문화 - Cultura · 사회 - Sociedade

Jipdeuri (집들이)

Pergunta: O que é que acontece quando temos uma casa nova, um novo casal, muita comida, muitos amigos, detergente e papel higiénico como presente, alegria e contentamento, tudo junto?

Resposta: Jipdeuri (집들이), i.e. uma festa de inauguração de casa coreana.

Antigamente, depois de mudarem de casa, os novos inquilinos levavam a cabo um ritual para agradecer aos espíritos e rezar por boa sorte e fortuna na sua nova casa e, à noite, faziam um banquete e convidavam pessoas para celebrar. Os convidados ofereciam fósforos ou velas para que a nova casa se iluminasse com prosperidade e felicidade. Por vezes traziam igualmente carvão em brasa da casa antiga para que o fogo da prosperidade continuasse a arder. Tradicionalmente os homens entravam pela porta da frente enquanto as mulheres entravam pelas traseiras.

  

As coisas mudaram um pouco desde então. Ao contrário do que acontecia antigamente, quando gerações viviam sempre na mesma casa, as famílias mudam-se com mais frequência, pelo que dar uma festa de cada vez que há uma mudança poderia tornar-se cansativo. Além disso, não são muitas as casas que podem receber muitas pessoas ao mesmo tempo, por isso seria preciso organizar várias festas para que todas as pessoas que a família conhece pudessem ver a casa, tendo em conta as agendas preenchidas dos convidados. Uma tarefa complicada! Por isso nos dias de correm este tipo de festas são organizadas por casais que acabaram de se casar para celebrar a mudança para uma casa nova e um novo começo, para partilhar a sua felicidade com os outros.

 

 

Qual é a primeira coisa em que pensamos quando pensamos numa festa de inauguração de casa? Sem dúvida, em comida. Se procurarem por “jipdeuri” num motor de busca coreano a primeira palavra que aparece é comida. Na Coreia, o jipdeuri dos recém-casados é uma ocasião não só para mostrarem a sua casa nova mas também para a noiva mostrar os seus dotes culinários. Apesar de as mulheres constituírem uma parte cada vez mais importante da força de trabalho, ainda é considerado uma virtude que a mulher saiba tratar bem da casa, sendo que saber cozinhar é muito importante.

No entanto, como muitas mulheres passam tanto tempo como os maridos a trabalhar e não têm muito tempo para cozinhar – a não ser que gostem de o fazer como hobby, nunca ouvi falar de maridos que cozinhassem para a festa de inauguração (ou outra festa qualquer) – por isso usar serviços de catering está muito em voga. Por vezes o “service de catering” é feito pela mãe da noiva, por isso muitas pessoas dizem na brincadeira que a festa serve para provar as habilidades culinárias da sogra. Existem muitos locais que se especializam na entrega de comida para jipdeuri. Depois basta aquecer ou colocar a comida no frigorífico, colocar nos pratos e por a mesa.

Como normalmente os recém-casados não têm grandes mesas de jantar próprias para uma grande festa, colocam mesas de sentar (N.T: mesas baixas próprias para as pessoas se sentarem no chão) na sala de estar e as pessoas reúnem-se em volta delas e aproveitam o banquete de uma maneira tradicional. Este tipo de mesa chama-se gyoja-sang (교자상), e agora são feitas com pernas que dobram para serem mais fáceis de arrumar. Cada família coreana tem pelo menos uma e se foi precisa outra podem pedir uma emprestada aos vizinhos ou alugar uma.

 Nem todas as festas de inauguração são feitas para grandes grupos. Na Coreia, por alguma razão, os amigos que vais fazendo em diferentes situações não se juntam. Por exemplo, nenhum dos meus amigos da escola conhece os meus amigos do trabalho, e ninguém espera que isso aconteça. Resultado: vários grupos distintos para convidar para a festa de inauguração. Começando pela família e parentes, depois colegas de trabalho e depois os amigos chegados do noivo e da noiva; todos convidados em ocasiões diferentes. As festas dos recém-casados com uma vida social ativa podem estender-se durante meses.

  

Que tipo de comida se serve no jipdeuri? Isto depende dos anfitriões, apesar de a maior parte das festas de inauguração incluírem pratos tradicionais coreanos próprios de festas e celebrações como tteok (떡, bolos de arroz coreanos), galbi jjim (갈비찜, costelas estufadas), japchae (잡채, vegetais e carne salteada com massa transparente) e janchi guksu (잔치국수, massa de festa). Grelhar carne à mesa em pratos como samgyeopsal (삼겹살, barriguinhas de porco) e bulgogi (불고기, carne de vaca ou de porco marinada) é popular e, nas frias noites de inverno, é comum servir jjigae (찌개, estufado). Alguns casais optam por um estilo mais ocidental; não existem regras e a maioria das pessoas tem somente em conta os gostos dos convidados.

 

 Já que as velas e fósforos perderam a sua importância, os presentes oferecidos nestas festas também mudaram. A praticabilidade vence o luxo, por isso é comum oferecer-se detergente (para que a riqueza cresça como as bolas de sabão) ou lenços ou rolos de papel de cozinha (para que os problemas se “desenrolem” facilmente). É possível que se receba o equivalente a um stock anual deste tipo de produtos. Os amigos mais chegados perguntam normalmente o que os recém-casados querem receber e compram o que eles necessitarem. É agora normal dar dinheiro num envelope com um bilhete, moda provavelmente iniciada por pessoas que trabalham tanto que não têm tempo para sair e comprar um presente.

 

 Além da comida e da bebida faz também parte do jipdeuri pôr os recém-casados a cantar. Não se sabe quando esta moda começou mas mesmo antes de as televisões terem sistemas de noraebang (N.T: karaoke) incorporados, com direito a microfones e tudo, as pessoas já obrigavam o jovem casal a levantar-se e a cantar, para ver “como harmonizavam”. É tão comum que não só aparece muitas vezes em dramas coreanos como se procurarem “jipdeuri” irão encontrar “canções para jipdeuri” ao lado de “comida”. Alguns casais praticam a sério para mostrarem as suas habilidades de harmonização, isto é, a sua compatibilidade.

De uma certa forma, apesar de o jipdeuri dever ser uma ocasião feliz, causa também muito stress. Ouvi recém-casados a suspirarem de alívio quando as formalidades acabam e dizerem “Acabamos os trabalhos de casa!” É como se os coreanos fossem estudantes a vida inteira. Também já os ouvi confessar com um sorriso maroto que se não fossem as jipdeuri as casas estariam num estado permanente de confusão: “É uma boa desculpa para limpar a casa!” Pesando os prós e os contras, a coisa fica equilibrada.

E para os convidados? É bom, sempre bom. Vão a casa de alguém com um monte de caixas de lenços de papel, comam e bebam, desejem felicidades aos novos proprietários de uma casa. E se forem ao jipdeuri de um casal novo? Vejam se os põem a cantar. Feliz jipdeuri!

 

Tradução do artigo que pode ser lido aqui

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s